Voando!

19 ago

E aí, gente? Sentiram minha falta?

Eu estava um pouco cansada do computador e, além disso, estava voando e voando com a minha imaginação. Fiquei pirando no voo dos passarinhos lá na praça e quando percebi já estava voando como eles.

Bom, ai fiquei interessada nesse negócio e descobri que esse desejo de voar que a gente tem é muito, mais muito antigo. Até na mitologia grega tem um tal de Ícaro que voou brevemente com suas asas de cera, só que elas foram derretendo com a força do sol e ele se espatifou!

Depois disso, teve um cara genial que todos vocês com certeza conhecem: Leonardo Da Vinci, aquele que pintou a Monalisa. Só que ele não era só pintor e escultor não! Era um baita de um gênio, pesquisava várias coisas, era engenheiro, anatomista e sabe -se lá mais o que….rs.

O Leonardo vivia pirando com esse negócio de voar e até fez alguns projetos malucos de umas máquinas voadoras, uma delas, inclusive, tinha um projeto bem interessante de algo parecido com o que hoje conhecemos por Helicópteros. Alguns pesquisadores até acreditam que a geringonça até poderia voar com algumas adaptações.

Mas ainda não foi o Da vinci que conseguiu alcançar os Céus. Quem conseguiu essa proeza foram alguns doidos que fabricaram balões gigantes. Os balões, como vocês sabem bem, sobem pois o ar quente utilizado neles é menos denso que o ar que está fora. O patrono dos balões inclusive é um padre nascido no Brasil, o Bartolomeu de Gusmão . Foi ele quem projetou o primeiro balão que funcionou realmente.

Bom, depois de dominados os balões, todos queriam tentar alçar vôos com objetos mais “pesados” que o ar. Muita gente se esborrachou tentando. Espia só: https://bit.ly/2KTE6Mv

Imagina só, que loucura! Foi aí que chegou outro brasileiro na parada, o Alberto Santos Dumont, ou Albertinho como era chamado na fazenda do pai dele.

Nem preciso falar muito sobre ele né? Era outra fera nas ciências e nas invenções e, olha só, era uma baita de um fã do Júlio Verne como eu. Um belo dia ele botou na cabeça que iria voar e começou a projetar suas engenhocas.

Mudou-se para Paris e lá começou a colocar em prática seus projetos. Primeiro construiu balões dirigíveis sensacionais e depois disso começou a testar seus “Aviões” até chegar ao projeto do 14 Bis. Foi com ele que o Albertinho conseguiu alçar voo. Olha só esse vídeo, tem algumas imagens raras do voo, é emocionante: https://bit.ly/2TJXJKR

Depois do 14Bis ele ainda projetou o Demoiselle que era um baita de um avião e até hoje tem várias réplicas que voam. Mas o Albertinho ficou injuriado quando começaram a fabricar aviões para serem utilizados na guerra. Dizem até que esse foi o maior desgosto da sua vida. Em 1932, no dia de sua morte, todos os combates aéreos que estavam ocorrendo na revolução constitucionalista foram cancelados em respeito à sua memória.

Olha só, achei esse site sobre ele bem legal: https://bit.ly/31MADG9

Mas voltando a falar de aviões, eu fiquei encanada querendo saber por que é que eles voam afinal? Então achei um texto bem massa que explica tudo direitinho. Embora seja muita mais complicado do que eu achava: https://bit.ly/2vpyBQP

Legal né gente? São várias forças envolvidas. Acho que até o Newton iria pirar com isso 🤪

Escute essa história aqui https://bit.ly/31UqQ13 e aqui https://bit.ly/2HePvFA

Anúncios

Paradoxos

6 ago

Eu fiquei uns dias sem escrever nada porque quebrei meu lindo bracinho 🤨

Mas já estou ótima e, olha só, hoje quase que eu quebro o outro! Estava eu correndo atrás do Marquinho e atropelei o meu professor de física…..hahaha, quase foi todo mundo pro chão. Não aconteceu nada mais grave, mas o prof. me falou uma coisa de um tal de Aquiles e um negócio de tartaruga.

Nem preciso dizer que não entendi nada né? Bom, mas eu fui correndo perguntar pro professor Pedro. Expliquei td direitinho e ele disse que o que o Prof. Ricardo disse era relacionado com um tal Paradoxo de Zenão.

Imagina, eu já não sabia nada do Aquiles e tartartaruga que dirá desse tal de Zenão! Pra falar a verdade eu nem sabia direito o que era um paradoxo, mas o Pedro, como sempre começou do começo…..hahaha.

Disse que um paradoxo é alguma coisa que apesar de parecer verdadeira, é cheia de contradição. Esse tal de Zenão era uma daqueles filósofos gregos meio doidões e ao mesmo tempo brilhantes. Ele era tipo especialista em criar paradoxos baseados na lógica e um deles fala da corrida do Aquiles com a Tartaruga.

Era mais ou menos assim: Se o Aquiles fosse apostar uma corrida uma tartaruga e ela tivesse uma vantagem de largar na frente, o Aquiles nunca iria alcançá-la. Para a gente entender, vamos supor que eles vão competir em uma corrida de cem metros, só que a tartaruga largaria 80 metros a frente do Aquiles.

A velocidade do Aquiles é de vezes maior que a da tartaruga. Então, enquanto ele percorre os 80 metros que o separavam da tartaruga, ela já teria andado mais oito metros. Então quando ele percorre os oito metros, ela já andou mais 80 centímetros. Quando ele percorre esses 80 centímetros, ela já teria percorrido mais 8 centímetros.

Quando ele percorre esses oito centímetros, ela já teria percorrido 8 milímetros e assim, sempre que ele percorresse a distância que os separava, a tartaruga já teria andado um tantinho a mais e, por isso, ele correria infinitamente sem nunca alcançá-la!

Massa né? Só que apesar dessa lógica estar totalmente certa, o Pedro disse que não se aplica à realidade! Ahhh, mas se você quer saber vai ter que esperar meu próximo texto 🤪

Escute essa história aqui ó: https://bit.ly/2YIs6Cd

Ahhhh, essa foto é da Tartaruga Touché e do Dum Dum, personagens de desenho animado que meu pai adora 😁

Tartaruga, gente….Ah deixa pra lá!

O Código

31 jul

Bom, toda essa minha piração com esse negócio de genética — causada pela flores que o Marquinho me deu, pelas explicações do Miguel e pelo meu papo com o Mendel — me deixou com vontade de compreender mais sobre isso. Bom, pesquisei bastante e vou contar um pouco do que eu descobri por aqui 😊

Como eu tinha dito antes, quem desvendou a lógica da hereditariedade, ou seja, da transferência dos características dos indivíduos para seus descendentes foi o Mendel.

Mas ainda faltava uma coisinha a ser resolvida: O que era responsável por carregar essas informações e como essa transferência funciona exatamente? Quem respondeu essa pergunta foram os cientistas James Watson e Francis Crick, eles até ganharam um prêmio Nobel por essa descoberta!

Ah, você deve estar perguntando: Mas afinal, o que é que eles descobriram? Bem, com certeza vocês já ouviram falar sobre o DNA, e o que eles fizeram foi justamente desvendar a estrutura dessa molécula responsável por carregar a informação genética dos seres vivos.

É a famosa “dupla hélice” que o Miguel vive falando na aula, até achei esse gif legal que coloquei aqui ó:

Bom gente, o DNA é que carrega toda a nossa carga genética e os nossos genes estão contidos nessas moléculas. Mas vc vai perguntar agora: e o que são os genes? Eu descobri que eles podem ser definidos de várias formas, só que a mais fácil da gente compreender é pensar em cada gene como um trecho bem específico do DNA.

É exatamente por isso que é tão difícil descobrir exatamente quais genes são responsáveis pela expressão de uma característica X ou Y e onde eles estão localizados na molécula do DNA.

Os humanos, por exemplo, possuem moléculas com vários milhões de pares de bases, se cada gene é um trechinho que compreende alguns pares dessas bases, imagine só quantos genes existem nessas cadeias…

Mas conversando com o Miguel, ele disse que devagar esses genes vão sendo descobertos, mas é um processo demorado onde primeiro a gente acha grandes regiões onde um gene pode estar e depois vai reduzindo cada vez mais essa região.

Outra coisa que eu descobri foram os processos responsáveis pelo funcionamento de todo esse sistema complexo. Para tudo isso funcionar existem três etapas básicas: a replicação, a transcrição e a tradução. Nessas duas últimas, entra em cena outro personagem importante, o RNA.

Gente, embora nesses processos estejam envolvidas várias estruturas, enzimas e tal, é bem fácil compreender. Achei aqui um link que explica tudo direitinho:

Duplicação do DNA, Transcrição e Tradução

E para facilitar ainda mais, achei umas animações bem maneiras sobre cada uma das etapas. Embora elas estejam em inglês, é só assistir dando uma conferida no texto do link anterior que fica mais tranquilo de entender. Então lá vai:

Replicação:

 

Transcrição:

Tradução:

Esse último vídeo é muito massa. Mostra direitinho as proteínas sendo montadas com base nas informações que lá atrás, no começo do processo todo, estavam no nosso DNA.

Ufa, parece meio complicado né? Mas não é não….rs. O mais legal é pensar em como essas coisas foram sendo descobertas ao longo do tempo e em como ainda tem muito a ser pesquisado.

Mas como diz a minha tia, a ciência é assim, vai sendo construída tijolinho por tijolinho, ou proteína por proteína como no processo de tradução…..rsrsrs.

Que maravilha, Mendel!

30 jul

maravilha

Já estavam com saudades dos meus posts, gente? Passei aqui só pra compartilhar que o meu dia foi demais, o fofo do Marquinho me deu um montão de flores que ele mesmo colheu. A Paty e as meninas ficaram me zoando, tb já viu né? Elas enfiaram na cabeça que eu e o Marquinho estamos de rolinho…hahaha. Era só o que faltava, eu dar bola pra um doido feito ele….rs. Mas voltando ao assunto, as flores que ele me deu são como essas da foto do post. Só que uma coisa me deixou curiosa, eram várias flores idênticas só que de várias cores!

Algumas vermelhas, outras brancas e outras cor-de-rosa, fiquei pensando pq é que isso acontece e o Marquinho finalmente teve uma ótima ideia: perguntar pro Miguel, nosso professor de biologia. O Miguel veio me falar de uma tal de co-dominância e eu não entendi absolutamente nada….haha.

Aí a coisa complicou! Disparou a falar de um tal de Mendel que desvendou, como ele disse, a lógica da hereditariedade. Bom, isso é um papo de genética e a gente tá só no comecinho dessa matéria, mas já percebi que o tal do Mendel era bem inteligente mesmo. Ah, o Miguel falou que além de cientista ele era padre! Curioso né?

Depois desse papo todo eu fiquei pirando com o Mendel, ou melhor, pensando sobre os experimentos dele. Era um negócio de ervilha verde pra cá, ervilha amarela pra lá, acho que ele tb devia ser cozinheiro..rsrs. Agora falando sério, ele ficou misturando as ervilhas fazendo um montão de experimentos até achar uma lógica nessa coisa de um indivíduo passar algumas características para os seus descendentes e não passar outras.

Bom, ainda preciso pesquisar melhor td isso pra poder explicar pra vcs. Ele falou umas coisas de alelos, homólogos e eu ainda não entendi muito bem. Mas como eu sou legal (me achando né?….hahaha) achei um vídeo massa que conta a história do Mendel. Ainda não vi inteiro mas vou fazer isso logo!

Estou ansiosa esperando os comentários de vcs aqui 😉

Escute essa história aqui: https://bit.ly/2KghS6Q

A revolta da vacina, Dr. Oswaldo e seu aluno

26 jul

Ontem eu disse que fiquei curiosa com esse negócio de vacina e de como é que elas funcionavam. Então achei um texto bem legal sobre a história desse negócio de imunização, dá só uma olhada:

Bom, além  de tudo isso que  Dr. Oswaldo Cruz fez, ele tb foi professor de um outro cientista muito importante, o Carlos Chagas.  O Dr. Oswaldo, em uma dessas minhas viagens imaginárias, até me apresentou pra ele quando conversávamos sobre as doenças tropicais. Bom, primeiro conversamos bastante sobre os protozoários, até contei pra eles que tinha ido mal na prova…..rsrs.

Bom, aí eles comentaram sobre a Doença de Chagas, que é causada por um protozoário chamado Trypanosoma cruzi que é transmitido pelos Triatomas que são percevejos hematófagos, ou seja, que se alimentam de sangue. Meu avô até disse que esses insetos são chamados de barbeiros pq gostam de picar o rosto das pessoas.

Até achei uma notícia bem recente sobre esses barbeiros, é só clicar AQUI

E um site muito legal que explica direitinho tudo sobre a Doença de Chagas:

Doença de Chagas

Bem, o Dr. Carlos Chagas foi quem descobriu todo o ciclo dessa doença e é um baita cientista viu gente. Pelo jeito o Dr. Oswaldo, além de um grande cientista, tb foi um baita de um professor! Mas essa história ainda não acabou viu, ainda tem umas coisas que quero descobrir sobre essa doença. Logo mais eu coloco as novidades aqui.

Enquanto isso, escute essa aventura aqui: https://bit.ly/2SHNCG4

Sorvete e Vacina

25 jul

Lembram que eu disse em um post anterior que o meu avô era uma figura e que falaria mais sobre ele? Pois é, chegou a hora….hahaha. Outro dia ele veio me pegar para dar um pulo na sorveteria, mas no meio do caminho precisamos fazer uma pausa no posto de Saúde pq ele iria tomar uma vacina de gripe.

Bom, eu já tomei várias vacinas quando era criança, mas achei que depois que a gente cresce só é preciso tomar outras doses depois de muito tempo. Então ele me disse que quando a gente passa dos 60 anos tem que tomar a vacina da gripe todo ano, pq os idosos são mais frágeis e uma simples gripe pode ter uma complicação danada.

Fiquei meio intrigada com isso, afinal se a gente toma a vacina uma vez, o corpo já produz anticorpos, né? Mas aí veio a surpresa, o vírus da gripe vai se modificando com o tempo, é um mutante, e se vc tem contato com um vírus diferente daquele que serviu pra fazer a vacina que vc tomou, seu corpo não vai reconhecê-lo e vc vai pegar gripe de novo!

Achei esse assunto tão interessante que até procurei uma animação sobre o vírus da gripe pra colocar aqui. Dá só uma olhada:

Bem, ainda tenho que pesquisar muito sobre as vacinas para entender direito como é o funcionamento delas. Fiquei curiosíssima com uma história que meu avô e o Dr. Tião, que é o médico lá do postinho, me disseram. Eles estavam falando do Oswaldo Cruz e de uma tal de revolta das vacinas. Vou descobrir direitinho e conto pra vcs.

Escute essa história aqui: https://bit.ly/2K7FESJ

Meu encontro com Clarice

24 jul

Finalmente descobri de quem era aquele texto que o Pedro me falou e que comentei aqui ontem:

“Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar”.

Essa passagem foi escrita pela Clarice Lispector.

Mas deixa eu contar, eu encontrei com ela na praça, quer dizer, imaginei que estava na praça conversando com ela…rs.

Ela disse que essas experiências imaginárias vão ajudando a gente a entender melhor o mundo e tb o próprio pensamento. Falou também que as histórias que a gente conta ajudam aqueles que as ouviram a contar suas próprias histórias. Legal isso né?

Depois disso ela me explicou que aquele nosso encontro poderia ser contado por ela pra alguém, poderia virar até um livro e que esse livro poderia ter até toques de ficção científica.

Bom, essas coisas parecem meio malucas, mas não demorou muito e o Marquinho me apareceu com um livro da Clarice chamado… “A vida intima de Laura”.

Só que a Laura do livro é um pouco diferente do que eu imaginava, ela é literalmente… uma galinha 😬 que tem um encontro com … um alienígena! 🤪

Pode ser uma doidera dessas? Pode sim 😊

Foi exatamente como ela me disse que poderia ser. Eu adorei e percebi que cada um vai contando e fazendo as suas histórias à seu próprio modo, como eu estou fazendo aqui.

Bom, achei aqui uma oficial da Clarice, lá vcs podem conhecer muito mais sobre ela: https://bit.ly/30P1Oj2

Agora deixa eu correr pq estou no meu momento VENTANIA!

Ouça essa história aqui: https://bit.ly/2Yrud12

Leve como uma brisa…

23 jul

Hoje eu acordei um pouco confusa com toda essa história de EXPERIÊNCIAS IMAGINÁRIAS, essas conversas meio complicadas sobre ciência. As vezes me pego pensando se estou sonhando! Falei sobre isso com o Marquinho e ele tirou a maior onda….rs.

Bom, mas depois dessa noite e do meu mergulho no universo da ficção científica resolvi falar com o Pedro, o meu professor de literatura, e adivinhem só o que aconteceu? Fiquei mais confusa ainda…rs.

Ele falou umas coisas de que o que pode ser real pra uns pode não ser real pra outros e isso acaba dependendo muito do nosso próprio olhar e da maneira como sentimos as coisas. As vezes acho que ele tá tirando uma com a minha cara, mas tenho que admitir que essas minhas “viagens” até que são interessantes!

Bom, mas a minha conversa de hj com o professor não terminou pq ele estava atrasado pra algum compromisso, como sempre. Só que antes de sair correndo ele me falou uma frase de uma escritora que ele gosta que diz mais ou menos assim:

“Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar”.

Aí já viu né, o Marquinho ficou zoando que eu era uma ventania e tal…..hahaha. Bom, mas no final das contas ainda nem descobri de quem é essa frase, preciso pesquisar. Mas fiquei pensando nessa frase…ainda não entendi muito bem pq ela tem alguma coisa a ver com essas minhas experiências, mas ela é tão bonita ☺️

Bom, hj não quero ficar pirando ainda mais com essas loucuras científicas e tal. Ao contrário do que o Marquinho disse, estou me sentindo leve…como uma brisa e por isso quero deixar minha imaginação embarcar na poesia.

Me lembrei de um bilhetinho que meu avô, o Don Giuseppe — como diz meu pai –, me mandou junto com o primeiro livro que ele me deu.

No bilhetinho ele escreveu um poeminha lindo, do Mario Quintana. Então resolvi colocar ele aqui pra vcs:

“Os Poemas

Os poemas são pássaros que chegam

não se sabe de onde e pousam

no livro que lês.

Quando fechas o livro, eles alçam vôo

como de um alçapão.

Eles não têm pouso

nem porto

alimentam-se um instante em cada par de mãos

e partem.

Lindo, né? Então, depois disso eu tive uma idéia, quero saber sobre os escritores e poetas que vcs mais gostam. Então vcs podem me mandar poesias desses autores, trechos te textos, ou até, quem sabe, vocês poderiam mandar vídeos declamando suas poesias preferidas. Ficaria o máximo! Ah, quem se aventura a escrever suas próprias poesias tb poderia colocar aqui nos comentários, assim todo mundo pode ver.

Bom, mas agora tenho que ir. Daqui a pouco vou andar um pouco de bike e dar uma descansada lá na praça. Ah, e tb tenho que pesquisar sobre a escritora que o Pedro citou!

Escute essa história aqui: https://bit.ly/2OeUmfZ

Uma conversa de J. Verne com H.G. Wells

22 jul

Faz dias que estou pensando nas obras do Júlio Verne e até já falei bastante sobre ele por aqui. Só tem um probleminha, nessas minhas EXPERIÊNCIAS IMAGINÁRIAS, que até hj não descobri diretio o que são, juro ter presenciado uma conversa do Júlio com o H.G. Wells, sabe, aquele do viajante do tempo e dessa foto que coloquei no post.

O Júlio falava que o Wells era um pouco pessimista demais em relação a esse negócio de Ciência, afinal suas obras são um pouco pesadas, cheias de guerras, destruição e tal. Sabe que eu até tenho que concordar, pesquisei algumas coisas sobre as obras dele e elas realmente são cheias dessas imagens mais carregadas, meio fortes.

Mas voltando, na minha imaginação o Wells dizia para o Júlio que realmente via essas coisas de ciência e tecnologia com muito receio, tinha medo que um dia as máquinas dominassem o mundo. Já o Verne, achava que o problema não eram as máquinas, mas sim o uso que os homens faziam delas.

Bom, fui falar sobre essa minha inquietação com a minha Mãe. Não demorou pra ela começar a falar sobre um filósofo alemão chamado Herbert Marcuse, de uma tal Escola de Frankfurt ,que ela gosta muito e inclusive sempre conversa bastante disso com alguns professores dela. Esse Marcuse discutia justamente esse fascínio que a tecnologia exerce sobre a gente e o poder que os donos dela acabam tendo sobre os outros. Fiquei pensando nisso e acho que a bomba atômica ilustra bem o que estou dizendo, resolvi até colocar um vídeo aqui pra mostrar o quão cruel os homens podem ser:

Bom, vendo esse vídeo acho que o Wells ganha um ponto. Por outro lado, a ciência tb trouxe milhões de coisas boas para a humanidade, basta a gente pensar, por exemplo, em uma coisinha simples: a penicilina. Ela foi descoberta pelo Alexander Fleming e salvou milhões de vidas desde que começou a ser usada para combater infecções bacterianas. Hum, ponto pro Verne. Também não teríamos chegado à lua, não teríamos satélites e nem esse post aqui…..rs.

Ai, todas essas informações quase fundiram minha cabeça. Mas foi bom, fiquei pensando, pensando e cheguei a conclusão que a ciência e a tecnologia não são os problemas realmente. A grande complicação é que a gente começa a ficar tão encantado com isso que esquece que essas coisas são feitas/fabricadas por nós mesmos. Por isso eu comecei a compreender o que minha tia me disse outro dia, que os cientistas cada vez mais começam a se preocupar com o impacto de suas invenções na vida da gente e, ao mesmo tempo, é importante que todo mundo conheça a ciência para ajudar a definir de maneira responsável e com conhecimento de causa, os rumos que ela deve seguir.

Nossa, fui longe né?rs….Mas voltando ao assunto inicial, tanto o Wells quanto o Verne foram e ainda são geniais e se não fosse pela influência e pelo fascínio que as obras deles exerceram em mim, não estaria falando sobre todas essas reflexões aqui.

Escute mais sobre essa história: https://bit.ly/30L1YIr

Viagens da Laura com Júlio Verne

18 jul

E aí gente, vocês gostam de FICÇÃO CIENTÍFICA?

Bom, é impossível falar desse assunto sem citar o grande Júlio Verne. Eu comecei a ler um livro dele chamado “Da Terra à Lua” que foi presente da minha tia Clau. No começo, tenho que admitir que fiquei com um pouco de preguiça de ler, sabe como é né? Tô acostumada com a internet, textos curtos, imagens à milhão etc… ah, mas como eu me surpreendi quando comecei a ler e a sentir as imagens, sons e até cheiros e sabores sendo criados na minha imaginação. Bom, nem preciso dizer que não parei mais de ler.

Fui curtindo os personagens, e percebendo como o Júlio Verne era genial. O que foi me deixando fascinada é que o Júlio descrevia coisas no texto que naquele tempo ainda não existiam! Coisas que nem os cientistas da época tinham certeza ser possível realizar. Ele era um baita de um visionário, nesse livro mesmo, ele acerta várias coisas sobre uma possível viagem à lua e que foram aplicadas dezenas de anos depois quando o homem finalmente pisou na lua.

Eu dei uma pesquisada e achei aqui um vídeo de um filme muito antigo, de 1902, inspirado nesse livro do Júlio que estou falando. Tá certo que o diretor do filme deu umas piradas, mas isso fez com que o filme ficasse até engraçado.

Curioso não é? Mas pra quem nunca viu, achei o vídeo do homem chegando de verdade pela primeira vez à lua com a missão Apollo 11, que inclusive no próximo sábado, dia 20 de julho, completa 50 anos. Nesse vídeo o astronauta Neil Armstrong fala sua célebre frase: “Um pequeno passo para um homem, mas um gigantesco salto para a humanidade”.

Gente, isso deve ser o máximo! Até arrepia assistir. Imagina o Júlio Verne então, já pensou se ele tivesse assistido a isso para confirmar suas previsões? Aiai, vou confessar viu, virei ultra fã do Júlio Verne e lendo seus livros fico a cada dia mais interessada por ciência. Exatamente como aconteceu com a minha tia Clau quando ela tinha minha idade.

Eu fiquei pensando nisso, como a ficção científica vai estimulando a gente a aprender ciência, dei uma pesquisada e achei esse texto aqui: https://hypescience.com/ficcoes-cientificas-podem-inspirar…/

Bom, cada vez mais eu fico mais fã do Júlio e quero conhecer muitas de suas obras ainda, como o Frederico J. do blog J. VernePt 

Além do Júlio tb me amarro nos seus personagens, como o capitão Nemo 😊. Bom, mas isso já é outra história.

Ouça aqui essa aventura com Júlio Verne: https://bit.ly/32BwsOA