Tag Archives: Júlio Verne

Para ouvir :)

9 mar

Oi gente, td bem?

Eu percebi que recebo milhares de visitas no blog, mas pouca gente tem entrado para ouvir minhas aventura :(.

Bom, como eu adoro essas coisas de ciência, tenho uma hipótese que quero testar….hehehe. Acho que isso está acontecendo pois os links estão meio escondidinhos no blog, na aba “Escute aqui minhas aventuras”. Para testar a minha hipótese, vou postar todos eles aqui nesse post. Se o número de plays aumentar minha hipótese está certa! Eba…

Mai se isso não acontecer, é sinal de que minha hipótese está furada….hahaha e, pior, que vcs não gostam de mim 😦

Me ajudem a testar minha primeira hipótese!!!!!

Bjks,

Lau.

Episódios:

Episodio 1 – O Viajante do Tempo 16/03/2011

Episodio 2 – O Viajante do Tempo 17/03/2011

Episodio 3 – Cuidado com a maçã! Isaac Newton 18/03/2011

Episódio 4 – Cuidado com a maça! Isaac Newton 21/03/2011

Episódio 5 – Júlio Verne 22/03/2011

Episódio 6 – Júlio Verne 23/03/2011

Episódio 7 – Júlio Verne24/03/2011

Episódio 8 – Clarice Lispector 25/03/2011

Episódio 9 – Clarice Lispector 28/03/2011

Episódio 10 – Oswaldo Cruz 29/03/2011

Episódio 11 – Oswaldo Cruz 30/03/2011

Episódio 12 – Oswaldo Cruz 31/03/2011

Episódio 13 – Gregor Mendel 01/04/2011

Episódio 14 – Gregor Mendel 04/04/2011

Episódio 15 – Marie Curie 05/04/2011

Episódio 16 – Marie Curie 06/04/2011

Episódio 17 – Marie Curie 07/04/2011

Episódio 18 – Paradoxo de Zenão 08/04/2011

Episódio 19 – Paradoxo de Zenão 11/04/2011

Episódio 20 – Paradoxo de Zenão 12/04/2011

Episódio 21 – Darwin 13/04/2011

Episódio 22 – Darwin 14/04/2011

Episódio 23 – Darwin 15/04/2011

Episódio 24 – Lavoisier 18/04/2011

Episódio 25 – Lavoisier 19/04/2011

Episódio 26 – Santos Dumont 20/04/2011

Episódio 27 – Santos Dumont 21/04/2011

Episódio 28 – César Lattes 22/04/2011

Episódio 29 – César Lattes 25/04/2011

Episódio 30 – César Lattes 26/04/2011

Episódio 31 – Kepler 27/04/2011

Episódio 32 – Kepler 28/04/2011

Episódio 33 – Kepler 29/04/2011

Episódio 34 – Einstein 02/05/2011

Episódio 35 – Einstein 03/05/2011

Episódio 36 – Einstein 04/05/2011

Episódio 37 – Einstein 05/05/2011

Anúncios

Me ajudem!!!

13 fev

Oi pessoal, td bem com vcs?

Estou dando uma passada por aqui pra pedir que vcs indiquem o blog ao prêmio The BOBs da DW. Para indicar é só entrar na página do concurso, http://thebobs.com/portugues/,  e indicar o https://viagensdalaura.wordpress.com na categoria  Prêmio Tópico Especial Educação e Cultura.

Brigadinha viu gente!

BJK,

LAU

O futuro

5 maio

Oi pessoal, td bem? Nossa, tem um monte de novidades pra contar, mas vamos por partes tá?rsrsrs.

Bom, finalmente entendi como é que seria possível, teoricamente, viajar para o passado. Descobri que embora o Einstein não tivesse previsto isso em suas teorias, são elas que fornecem a base para essa possibilidade. Vou explicar melhor, mas antes vamos para reviao….hahaha. Recapitulando um pouco do que eu disse ontem, o tempo pode ser considerado  uma dimensão como qualquer outra dimensão espacial. Uma quarta dimensão. À partir disso, começamos a compreender o conceito de espaço-tempo.

Também descobrimos, quer dizer o Einstein descobriu….rs, que um corpo com uma massa muito grande causa uma deformação no tempo-espaço. Daí que surge a força da gravidade. Fiquei encucada com essa história de deformação, então fiquei imaginando como seria. è como se a gente esticar um pedaço de pano e colocar uma maçã sobre ele! A maçã vai formar uma espécie de depressão sobre o pano. Mais ou menos assim ó:

Podemos ver que é uma deformação no espaço. Aí fica simples de entender, pois se a gente considera o tempo também como uma dimensão do espaço, essa deformação tb se aplica ao tempo 🙂

Isso foi até confirmado experimentalmente. É assim, quando a luz viaja ela segue em linha reta certo?! Só que algumas observações perceberam que a luz emitida por uma estrela sofria desvios quando passava por perto de outra estrela. Ou seja, ela simplesmente acompanhava a deformação do espaço-tempo causada pela grande massa dessa última estrela.

Mas vocÊs devem estar me perguntando: E daí?rsrsrs. Bom, imagine então uma deformação tão grande que pudesse criar uma passagem, um buraco no espaço tempo, como fosse um buraco de minhoca atravessando uma fruta.  Imagine agora que a boca do buraco fosse colocado perto de uma estrela com muita massa, de forma que perto dela o tempo passasse mais devagar.  Imaginou?

Se a outra extremidade fosse levada para outro lugar o tempo passaria mais rapidamente, os dois extremos do buraco de minhoca ficariam separados não só no espaço, mas também no tempo.

Olha só, seria mais ou menos assim:

Então, teoricamente seria possível viajar no tempo passando bom um desses túneis!!! Mas tem um probleminha, só teoricamente mesmo. Fiquei pensando, pensando e cheguei a conclusão que se a viagem no tempo é mais difícil do que a gente pensa. Se não fosse, com certeza alguém do futuro já teria vindo nos visitar…..rsrsrs.

Aí fiquei meio triste, pensando que não vou resolver meus problemas tão fácil assim!Ahhh se eu pudesse voltar no tempo não teria subido naquela mangueira! Mas quer saber, se eu não tivesse feito isso não teria quebrado o braço, não ficaria com vontade de voltar no tempo, não teria passado o resto do feriado com todo mundo reunido no sítio, não teria pesquisado e aprendido tanta coisa sobre a Madame Curie, sobre o Einstein, sobre o Hawking.

Quer saber, acho que eu sou uma viajante do tempo. É, isso mesmo! Agora eu entendi tudo. Eu já sou uma viajante do tempo e qualquer um pode ser, é só imaginar! Foi assim que fui pra Grécia Antiga, conhecia o Darwin, o Mendel, o Lavoisier! Foi imaginando o futuro exatamente como fazia o Júlio Verne e fazendo perguntas como o Kepler que consegui viajar no tempo, como se eu voasse como o Santos Dumont ou quisesse descobrir como os protozoários se comportam dentro do corpo como o Carlos Chagas!

Bom, mas agora estou é preocupada é com o futuro, afinal descobri que minha mãe está grávida! Imaginando, imaginando eu já sei que vai ser menina e nome dela vai ser uma homenagem ao Newton, vai ser Hannah, como a avó dele :))

Que venha o futuro, que venha a Hannah!

Bem gente, essa história termina por aqui, mas tenho certeza que outras tantas virão, como me disse a Clarice. Nas próximas ainda terão novos personagens, novas aventuras e novas perguntas! Eu sempre falo que minha vida daria uma novela mesmo, então que tal imaginar essa novela comigo é só clicar aqui.

Bem, vou indo que o Marquinho está me esperando. Até logo gente, BJKAS :)))

Voando, voando…

21 abr

Oi gente, td bem? Sentiram minha falta ontem?rsrsrs

Bom, eu estava um pouco cansada do computador e, além disso, estava voando e voando com a minha imaginação. Fiquei pirando no vôo dos passarinhos lá na praça e quando percebi já estava voando como eles….hehehe. Bom, ai fiquei interessada nesse negócio e descobri que esse desejo de voar que a gente tem é muito, mais muito antigo. Até na mitologia grega tem um tal de Ícaro que voou brevemente com suas asas de cera, só que elas foram derretendo com a força do sol e ele se espatifou!

Depois disso, teve um cara genial que todos vocês com certeza conhecem: Leonardo Da Vinci, aquele que pintou a Monalisa. Só que ele não era só pintor e escultor não! Era um baita de um gênio, pesquisava várias coisas, era engenheiro, anatomista e sabe -se lá mais o que….rs. Olha só a cara do figura:

O Leonardo vivia pirando com esse negócio de voar e até fez alguns projetos malucos de umas máquinas voadoras, uma delas, inclusive, tinha um projeto bem interessante de algo parecido com o que hoje conhecemos por Helicópteros. Alguns pesquisadores até acreditam que a geringonça até  poderia voar com algumas adaptações. Olha só o esboço que o Leonardo fez:

Mas ainda não foi o Da vinci que conseguiu alcançar os Céus. Quem conseguiu essa proeza foram alguns doidos que fabricaram balões gigantes. Os balões, como vocês sabem bem, sobem pois o ar quente utilizado neles é menos denso que o ar que está fora. O patrono dos balões inclusive é um padre nascido no Brasil, o Bartolomeu de Gusmão  . Foi ele quem projetou o primeiro balão que funcionou realmente.

Bom,  depois de dominados os balões, todos queriam tentar alçar vôos com objetos mais “pesados” que o ar. Muita gente se esborrachou tentando. Espia só:

Imagina só, que loucura! Foi aí que chegou outro brasileiro na parada, o Alberto Santos Dumont, ou Albertinho como era chamado na fazenda do pai dele. Olha ele aí:

Nem preciso falar muito sobre ele né? Era outra fera nas ciências e nas invenções e, olha só, era uma baita de um fã do Júlio Verne como eu. Um belo dia ele botou na cabeça que iria voar e começou a projetar suas engenhocas. Mudou-se para Paris e lá começou a colocar em prática seus projetos. Primeiro construiu balões dirigíveis sensacionais e depois disso começou a testar seus “Aviões” até chegar ao projeto do 14 Bis. Foi com ele  que o Albertinho conseguiu alçar vôo. Olha só esse  vídeo, tem algumas imagens raras do vôo, é emocionante:

Depois do 14Bis ele ainda projetou o Demoiselle que era um baita de um avião e até hoje tem várias réplicas que voam. Mas o Albertinho ficou injuriado quando começaram a fabricar aviões para serem utilizados na guerra. Dizem até que esse foi o maior desgosto da sua vida. Em 1932, no dia de sua morte, todos os combates aéreos que estavam ocorrendo na revolução constitucionalista foram cancelados em respeito à sua memória.

Olha só, achei dois sites legais sobre ele:

Santos Dumont

Alberto Santos Dumont

Mas voltando a falar de aviões, eu fiquei encanada querendo saber por que é que eles voam afinal? Então achei um texto bem massa que explica tudo direitinho. Embora seja muita mais complicado do que eu achava…..rsrsrs. Dá só uma lida:

Como os aviões voam?

Legal né gente? São várias forças envolvidas. Acho que até o Newton iria pirar com isso….rsrsrs. Bom, agora pra terminar eu vou colocar um vídeo que fala do Ícaro, do sonho de voar e, além disso, é da banda preferida do Marquinho :)))

Gente, por hj é só. Obrigada pelos comentários que vcs estão fazendo no blog viu. Bjks 😉

Uma conversa de J. Verne com H.G. Wells

24 mar

Oi gente, td bem? Bom, mais uma vez tô postando aqui nos 45 do segundo tempo. Ahhh, pensando bem já nos acréscimos, como diria o Marquinho….rsrs. Bom, mas o Post de hj é especial. Faz dias que estou pensando nas obras do Júlio Verne e até já falei bastante sobre ele por aqui, mas hj tive uma surpresa ao visitar o blog J.Verne. Descobri que há exatos 106 anos o Júlio Verne partiu dessa pra melhor! Coincidência né? Até fiquei meio encucada com isso. Bom, mas vamos ao que interessa né? Descobrir isso só me fez ficar mais interessada nesse grande autor. Só tem um probleminha, nessas minhas EXPERIÊNCIAS IMAGINÁRIAS, que até hj não descobri diretio o que são, juro ter presenciado uma conversa do Júlio com o H.G. Wells, sabe, aquele do viajante do tempo. Bom, olha só a cara dele aí:

 Voltando ao assunto, o Júlio falava que o Wells era um pouco pessimista demais em relação a esse negócio de Ciência, afinal suas obras são um pouco pesadas, cheias de guerras, destruição e tal. Sabe que eu até tenho que concordar, pesquisei algumas coisas sobre as obras dele e elas realmente são cheias dessas imagens mais carregadas, meio fortes sabe. Até achei um desses filmes antigos pra mostrar pra vcs que é baseado em uma obra dele, se liga:

Mas voltando, na minha imaginação o Wells dizia para o Júlio que realmente via essas coisas de ciência e tecnologia com muito receio, tinha medo que um dia as máquinas dominassem o mundo. Já o Verne, achava que o problema não eram as máquinas, mas sim o uso que os homens faziam delas. Bom, fui falar sobre essa minha inquietação com a minha Mãe. Não demorou pra ela começar a falar sobre um filósofo alemão chamado Herbert Marcuse, de uma tal Escola de Frankfurt ,que ela gosta muito e inclusive sempre conversa bastante disso com alguns professores dela como a Vânia e o Tony. Esse marcuse  discutia justamente esse fascinio que a tecnologia exerce sobre a gente e o poder que os donos dela acabam tendo sobre os outros. Fiquei pensando nisso e acho que a bomba atômica ilustra bem o que estou dizendo, resolvi até colocar um vídeo aqui pra mostrar o quão cruel os homens podem ser:

Bom, vendo esse vídeo acho que o Wells ganha um ponto. Por outro lado, a ciência tb trouxe milhões de coisas boas para a humanidade, basta a gente pensar, por exemplo, em uma coisinha simples: a penicilina. Ela foi descoberta pelo Alexander Fleming e salvou milhões de vidas desde que começou a ser usada para combater infecções bacterianas. Hum, ponto pro Verne. Também não teríamos chegado à lua, não teríamos satélites e nem esse blog aqui…..rs.

Ai, todas essas informações quase fundiram minha cabeça. Mas foi bom, fiquei pensando, pensando e cheguei a conclusão que a ciência e a tecnologia não são os problemas realmente. A grande complicação é que a gente começa a ficar tão encantado com isso que esquece que essas coisas são feitas/fabricadas por nós mesmos. Por isso eu comecei a compreender o que minha tia me disse outro dia, que os cientistas cada vez mais começam a se preocupar com o impacto de suas invenções na vida da gente e, ao mesmo tempo, é importante que todo mundo conheça a ciência para ajudar a definir de maneira responsável e com conhecimento de causa, os rumos que ela deve seguir.

Nossa, fui longe né?rs….Mas voltando ao assunto inicial, tanto o Wells como o Verne foram e ainda são geniais e se não fosse pela influência e pelo fascínio que as obras deles exerceram em mim, não estaria falando sobre todas essas reflexões aqui.

Bom gente, acho que é isso e, aproveitando essa data, deixo aqui um agradecimento ao grande Júlio Verne por ter aguçado minha curiosidade científica e dizer tb que embora ele tenha partido há muito tempo, na minha imaginação ele e seus personagens continuam bem vivos :))))

P.s.: Espero os comentários viu gente!

Nautilus

23 mar

Oi pessoal, td bem? Nossa, achei que hoje não ia dar tempo de postar mais alguma coisa, mas nos 45 do segundo tempo estou aqui 🙂

Bom, continuo pensando muito nessa história de ficção científica e resolvi falar um pouco mais sobre isso neste post. O que acontece é que quanto mais eu converso com o Júlio Verne…é…quer dizer, quanto mais eu leio seu livro e pesquiso sobre ele, mais eu vou entendendo como é que a ciência vai sendo construída. Eu descobri, por exemplo que ela ajuda a gente a compreender melhor o mundo e até a desmistificar algumas coisas. Bom, vou dar um exemplo: quando estávamos viajando no Nautilus…ops…quer dizer, quando estava pensando no Nautilus e nas aventuras do Capitão Nemo, fiquei imaginando uma baleia Jubarte. Antigamente os navegadores achavam que elas eram monstros marinhos, que destruiriam as embarcações e tal, outros achavam que era um peixe gigante! Então vem a ciência e resolve esse mistério esclarecendo que a Jubarte é um Mamífero, exatamente como nós, e além disso é um animal inofensivo e lindo, é claro. Nossa, viajei tanto nisso, fiquei pensando tanto na baleia e no seu canto que até achei um vídeo pra colocar aqui:

Lindo né? Bom, continuando…conversando com o Júlio, ou melhor PESQUISANDO sobre ele, fui percebendo que ele queria, além de divertir a gente com seus livros, fazer a gente pensar a ciência, refletir sobre ela e estimular seus leitores a, quem sabe, transformarem-se em cientistas. Ele era vidrado em ciência, lia tudo a respeito e sempre conversava com vários cientistas, incluindo seu primo chamado Henry que era matemático.

Assim, ele sempre ficava sabendo das mais recentes descobertas e podia viajar nas suas obras. No último post eu disse que ele era um visionário, meio profético até, mas isso pq ele misturava todo o conhecimento científico que tinha com a sua imaginação. Ele era bem chegado numas EXPERIÊNCIAS IMAGINÁRIAS como eu…hahaha.

Lendo o livro “Da Terra à Lua” e conversando a respeito com minha tia Clau, fiquei sabendo que o Júlio acertou quase tudo que permitiria uma viagem espacial bem antes que elas se concretizassem. Ele acertou, por exemplo, que o material que seria usado na construção das naves seria o alumínio. Na época do livro, o alumínio tinha sido recém descoberto, mas lendo a respeito das suas propriedades ele percebeu que era um material que se enquadrava nas nescessidades de uma viagem espacial por ser muito resistente e ao mesmo tempo leve.

Outra coisa que ele acertou foi que o lançamento das naves deveria ser realizado próximo ao Equador. Isso porque o Júlio conhecia muito bem as leis do Newton e compreendeu muito bem o que é a Velocidade de escape . Em outras coisas o Júlio errou, como quando sugeriu que as naves seriam lançadas por canhões. Se isso ocorresse os coitados dos astronautas seriam esmagados pela aceleração brusca do projétil. Mas na época do Júlio, a balística era uma área muito discutida pela ciência. Já os foguetes, ainda nem eram alvo de grandes estudos. Pesquisando um pouco mais, achei um post bem legal no blog J.Verne , dá só uma olhada:

“Invenções” de Júlio Verne que se tornaram reais

Toda essa história me fez compreender que a ciência vai sendo contruída tijolinho por tijolinho, um cientista sempre parte do conhecimento gerado por aqueles que vieram antes dele pra avançar ainda mais com suas ideias. Percebi que na ciência não existem verdades absolutas, ou seja, o que é certo hoje amanhã pode não ser mais. legal isso né? Como diz a minha tia “A ciência é um processo infinito de construção de conhecimento”, agora nas minhas palavras acho que a ciência é uma casa que por mais tijolos que sejam colocados nunca vai ficar pronta…rs.

Bom, vou deixar um vídeo bem legal do lançamento do foguete que levou os astronautas da Apollo 11 pra Lua. Nele dá pra ver a velocidade do foguete e perceber que ele vai acelerando aos poucos pra não esmagar a tripulação como aconteceria se fossem lançados por um canhão:

Bom gente, espero que gostem do post de hj. Espero os comentários :))

Viagens da Laura com Júlio Verne

22 mar

Oi pessoal, td bem com vcs? Espero que sim.

Bom gente,  hj — como já devem ter percebido pelo nome do post — Vou falar um pouquinho de FICÇÃO CIENTÍFICA e é impossível falar desse assunto sem citar o grande Júlio Verne. Bom, eu comecei a ler um livro dele chamado “Da Terra à Lua” que foi presente da minha tia Clau. No começo, tenho que admitir que fiquei com um pouco de preguiça de ler, sabe como é né? Tô acostumada com a internet, textos curtos, imagens à milhão etc… ah, mas como eu me surpreendi quando comecei a ler e a sentir as imagens, sons e até cheiros e sabores sendo criados na minha imaginação. Bom, nem preciso dizer que não parei mais de ler.

Fui  curtindo os personagens, e percebendo como o Júlio Verne era genial.  O que foi me deixando fascinada é que o Júlio descrevia coisas no texto que naquele tempo ainda não existiam! Coisas que nem os cientistas da época tinham certeza ser possível realizar. Ele era um baita de um visionário, nesse livro mesmo, ele acerta várias coisas sobre uma possível viagem à lua e que foram aplicadas dezenas de anos depois quando o homem finalmente pisou na lua. Eu dei uma pesquisada e achei aqui um vídeo de um filme muito antigo, de 1902, inspirado nesse livro do Júlio que estou falando. Tá certo que o diretor do filme deu umas piradas, mas isso fez com que o filme ficasse até engraçado. Dá só uma olhada:

Curioso não é? Mas pra quem nunca viu, achei o vídeo do homem chegando de verdade pela primeira vez à lua. Foi a missão Apollo 11. Nesse vídeo o astronauta Neil Armstrong fala sua célebre frase: “Um pequeno passo para um homem, mas um gigantesco salto para a humanidade”.

Gente, isso deve ser o máximo! Até arrepia assistir. Imagina o Júlio Verne então, já pensou se ele tivesse assistido a isso para confirmar suas previsões? Aiai, vou confessar viu, virei ultra fã do Júlio Verne e lendo seus livros fico a cada dia mais interessada por ciência. Exatamente como aconteceu com a minha tia Clau quando ela tinha minha idade.  Eu fiquei pensando nisso, como a ficção científica vai estimulando a gente a aprender ciência, dei uma pesquisada e achei descobri que a Ciência Hoje está falando sobre esse mesmo tema, é até capa da revista:

Ciência Hoje

Também achei esse outro texto:

Ficções Científicas podem inspirar jovens a se tornarem cientistas

Bom, cada vez mais eu fico mais fã do Júlio e quero conhecer muitas de suas obras ainda, como o Frederico J. do blog J.Verne que sempre dá uma passadinha aqui no blog pra conhecer minhas aventuras.

Além do Júlio tb me amarro nos seus personagens, como a capitão Nemo. Bom, mas isso já é outra história. Bom, espero que gostem do post de hj queridos.

Quero comentários hein…até :))